sexta-feira, 26 de março de 2010

A boa culinária da Vila


Nas esquinas da rua Joaquim Távora com a rua Rio Grande, apreciadores da boa culinária encontram diversidade do requinte ao simples


Por Daniela Melo, Ingrid Araújo, Patrícia de Lara, Roberta Carli


Vila Mariana, um bairro tradicional da zona sul de São Paulo, concilia residências, serviços e comércio com uma excelente infra-estrutura. Devido a sua localização privilegiada, próxima ao centro da cidade, como a Avenida Paulista, aeroporto de Congonhas, Ibirapuera, entre outros, o bairro concentra um grande número de instituições educacionais o que garante a grande concentração de pessoas, especialmente de jovens. O espírito empreendedor que marcou o florescimento do bairro explica a qualidade de vida de seus moradores e também os atrativos para quem está apenas de passagem.
Para quem busca uma maneira de descontrair e apreciar bons pratos, uma boa pedida é a diversidade do triângulo gastronômico. Com a maioria das opções da culinária brasileira situadas nas esquinas das ruas Joaquim Távora e Rio Grande, essa diversidade é composta pela originalidade da comida mineira oferecida pelo Gamela Bar e Restaurante, pelo requinte em frutos do mar do boteco Paróquia e pela simplicidade dos petiscos do Barxaréu.


Sobre o Gamela
No Gamela Bar e Restaurante, num amplo sobrado com a decoração rústica típica mineira, objetos e peças de artesanato do Estado de Minas Gerais complementam o ambiente. Os apreciadores desta culinária podem desfrutar a especialidade da casa, o Triângulo Mineiro. Este prato contém carne de sol, carne seca, costela suína servida com arroz, feijão de corda e puxada na manteiga de garrafa. Outra opção é o ‘Escondidinho’, o carro chefe da casa e é servido com carne seca desfiada coberta com purê de mandioca, acompanhado de arroz, feijão de corda e couve e para a semana santa eles servem a Bacalhoada feita com pimentão, cebola, tomate e azeitona e acompanhada de purê de Batata,
O cardápio deste bar e restaurante é amplo e suas especialidades vão desde porção de torresmo, pão de alho até os tradicionais peixes, como salmão grelhado e filé de pescada.
Segundo Daniel Bartolettlo, gerente da casa há dez anos, afirma “A comida mineira com tempero forte é procurada mesmo nos dias quentes. Nossa clientela vem mesmo para saborear estas especiarias”, diz.

O Santo Choop
Já no Paróquia, bar estilo boteco chique, requinte e criatividade estão presentes no menu, onde os pratos possuem nomes ligados ao universo das igrejas católicas . Mesas de madeira na calçada e num salão pequeno, espelhos, artigos religiosos, quadros pendurados nas paredes com matérias sobre o estabelecimento e um charmoso balcão para atender a clientela harmonizam o ambiente.
O ‘santo chopp’ é a especialidade da casa e os frutos do mar ganham destaque na culinária. O boteco chique tem a exclusividade da AmBev, e há quatro anos consecutivos é considerado o ‘rei do colarinho’ pela RAC, Real Academia do Chopp.
De acordo com José Rodrigues, 46, à frente da gerência há cinco anos, “trabalhar com frutos do mar e ter a especialidade em saber tirar o chopp com colarinho, é um diferencial do bar, pois são poucas casas na região que conseguem manter uma clientela cativa e fiel com esses produtos”, relata.
As recomendações para os “fiéis”, segundo o cardápio, são a ‘Santa Ceia’, prato que é um mix de frutos do mar, com polvo, lula, marisco, camarões, peixe a provençal, molho a base de tomate, alho poró, azeite extra virgem, um toque deshoyo. Outra pedida é o Divino, caldeirada de frutos do mar servido à mesa no reuchaud. Caldo da Ressurreição, costela do Frei, Terço, e outros completam o cardápio.


O mais vendido
Em frente ao Paróquia e ao Gamela Bar está o Barxaréu, para fechar o triângulo gastronômico. Com o aconchego e a simplicidade deste boteco, mais a originalidade dos seus petiscos, as suas esquinas estão sempre muito movimentadas. O bar trabalha com uma variedade de cachaças além das bebidas e drinks de costume, é especialista em cervejas nacionais e internacionais. Os diferenciais são os petiscos no tacho, calabresa de metro, bolinhos de abóbora com carne seca, de mandioca com carne seca e os de bacalhau. O carro chefe da casa é a ’Picanha no Réchaud’, prato com picanha grelhada servida na pedra, acompanha farofa e vinagrete
Para Leonel Mattos, proprietário do local, “desde 2004 o Barxaréu participa do boteco Bohemia”, declara. “E neste ano vencemos o concurso com o bolinho de mandioca com carne”, comenta.

Sugestão de Prato do Bar Gamela
Triângulo Mineiro e seu custo:
R$40,90 para três pessoas,
R$31,90 para duas pessoas
R$18,90 para uma pessoa.
Escondidinho a custo de:
R$29,90 para duas pessoas.
Bacalhoada:
Custo de R$ 21,90 por pessoa.

Sugestão de Prato do Bar Paróquia
Santa Ceia:
Que custa a bagatela de R$ 70,00 (serve três pessoas).
Divino:
Custo de R$46,00 (serve duas pessoas).

Sugestão de Prato do Barxaréu

Porções:
Custo de R$ 17,80 a 21,80 a porção com 12 unidades.
Picanha no Réchaud
Custo de R$ 51,90.


video


Conheça Gamela

Nenhum comentário: